sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

QUEM SE EXALTA SERÁ HUMILHADO


Em Lucas 18:9-14, temos a seguinte parábola ensinada por Jesus: A alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola: "Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano. O fariseu, em pé, orava no íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho’. "Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’. "Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado".

A parábola era o principal recurso usado por Jesus para ensinar, da forma mais simples, tanto nobres como leigos. Era uma espécie de alegoria que era apresentada sob forma de uma narração, transmitindo lições da ética cristã. Seu ensino procurava demonstrar a importância do homem confiar somente em Deus e não em sua própria justiça.

Na parábola que acabamos de ler, notamos dois personagens: um fariseu e um publicano. O fariseu representava o grupo de religiosos dominantes da época, devotos a Torá (Lei). A palavra Fariseu tem o significado de "separados", " a verdadeira comunidade de Israel", "santos". Os publicanos, por sua vez, eram classificados pelo Talmude (Livro Sagrado dos judeus, um registro das discussões rabínicas que pertencem à Lei, ética, costumes  e história do judaísmo) como sendo assassinos e ladrões, estando  inacessíveis à salvação ou a vida eterna, ou seja, era uma classe menos favorecida aos olhos dos fariseus. Com isso, uma cultura se instalou entre os judeus de desprezar os publicanos como observamos na passagem.
De fato, é parte da conduta do cristão andar de forma humilde na presença de Deus, e tal forma de vida implica nos seguintes princípios:

1. Quem se exalta será humilhado. A exaltação sempre começa na mente do homem, conforme diz o texto: "O fariseu, em pé, orava no íntimo: "Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano". A idéia aqui é que a pior religião do mundo é aquela que não consegue humilhar o coração do homem. O próprio Deus afirma em Os 6:6 "Pois desejo misericórdia, não sacrifícios, e conhecimento de Deus em vez de holocaustos". Era uma característica dos fariseus a presença do legalismo em detrimento do amor e misericórdia. Muitas vezes nos comportamos assim! Como os fariseus deste século e não percebemos nossa falência espiritual. "Somos como o impuro — todos nós! Todos os nossos atos de justiça são como trapo imundo. Murchamos como folhas, e como o vento as nossas iniquidades nos levam para longe" (Is 64:6). Quando começarmos a pensar como Deus pensa, passaremos a ter mais misericórdia para com os publicanos deste século.

2. Costumes religiosos sem amor para nada servem. É o que o texto ensina: "Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho". Aprendemos, ao longo da história bíblica, que Deus não se agradava de tantos rituais praticados sem um amor profundo e sincero, primeiro a Deus e depois ao próximo. Em Marcos 12, lemos sobre um mestre da lei que perguntou a Jesus a cerca do maior de todos os mandamentos. Em todos os questionamentos sofridos por Jesus, a característica dos fariseus é uma extrema preocupação com tradições, formas e legalismo. Jesus o respondeu dizendo: "Amá-lo de todo o coração (a Deus), de todo o entendimento e de todas as forças, e amar ao próximo como a si mesmo é mais importante do que todos os sacrifícios e ofertas" (v.33). Se os costumes não ferem o principal mandamento que é o amor e a misericórdia, então podem e devem ser mantidos para o bem da igreja, contudo, o contrário deve ser questionado e revisto!

3. Quem se humilha será exaltado. A lógica divina é totalmente contrária aos patrões humanos. Deus tem um profundo interesse na alma humana, Ele é salvador e Senhor. Ele resgata o homem do pecado, transforma a vida e é o único capaz de mudar o coração pecaminoso. Em sua soberania, Ele vai humilhar o coração do homem até que o mesmo seja quebrantado, levando-o a Deus. "Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará" (Tg 4:10) e "Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele os exalte no tempo devido" (1 Pe 5:6). Em muitas situações do dia a dia, sair perdendo ou dar uma de bobo, nem sempre pode significar fraqueza ou mesmo ingenuidade e sim humildade. No final de tudo, quem se humilha será exaltado.

Nesta parábola, aprendemos que temos a tendência de nos comportarmos como fariseus, quando não olhamos o próximo com amor e misericórdia. Por mais estúpido que pareça o indivíduo, mal educado, truculento, ele sempre terá, neste mundo, a graça de Deus em salvá-lo da perdição eterna por meio de Jesus. Deus quer usar homens humildes, que estejam dispostos a passar por humilhações que, certamente, redundarão em bênçãos sem medida. 
Amém!

Presbítero Fernando dos Santos Moreira Júnior

Nenhum comentário:

Postar um comentário